segunda-feira, 20 de março de 2017

Comercial Sport Club de Castelo

Nome : Comercial Sport Club 
Data : 20 de março de 1927
Local : Castelo
Estádio : Independência
Títulos : Campeonato Sulino de 1936
Vice Campeão Capixaba 1936
 Campeão Capixaba Futebol Feminino 2011,2012 e 2013
Vice Campeão Capixaba Futebol Feminino 2010 e 2016
Um das poucas imagens da equipe do Comercial de Castelo


Fundado em 20 de março de 1927 na cidade de Castelo o Comercial Sport Club é uma das equipes mais antigas do Espírito Santo em atividade,  o clube manda os jogos no chamado Estádio Independência, que fica as margens do Rio Castelo
.
O Comercial cultiva rivalidades muito tradicionais em Castelo contra o Castelo F.C e Caxias Castelense, América de Castelo também fez partidas interessantes, mas também tem rivalidades com equipes da região, Muniz Freire, Estrela do Norte, Cachoeiro, entre outros.

A equipe disputou por várias vezes o Campeonato Sulino, principalmente nas décadas de 30, 40 e 50, inclusive em uma delas no ano de 1936 sagrando-se campeão, graças a este título o Comercial foi finalista do Campeonato Capixaba, na final encarou o Rio Branco mas não foi páreo, perdendo a duas partidas na melhor de 4 pontos, as duas partidas foram disputadas em Vitória. Na partida de ida em 1º de março de 1937 o Rio Branco aplicou 7x1, isso obrigava o Comercial devolver o placar mas na partida de volta em 8 de março foi derrotado novamente, agora por 4x2 ficando com honroso vice campeonato estadual.

No mesmo ano em 4 de julho o Castelo encarou o Flamengo/RJ em seu estádio perdendo por 3x0.
Fachada do Estádio Independência próximo ao Rio Castelo 

Se no futebol masculino o Comercial não conseguiu conquistar o título estadual, no feminino fez com sobras, as meninas do Comercial já conquistaram o estadual feminino 3 vezes, 2012,2013 e 2014, em 2010 e 2016 foi vice campeã, 3º lugar em 2011 e 2015, prova da força do Comercial no estadual feminino é que em todas as  edições o time Castelense chegou entre as 4 melhores. 

Em 2010 começa a história, a primeira partida foi diante do Club Capixaba em Guarapari vitória por 2x0.

A primeira goleada duas rodadas depois vitória por 6x2 sobre o grêmio Laranjeiras, antes disso havia feito a estréia contra  Vila Nova com vitória por 4x2.
Depois de dois turnos o Comercial se garantiu nas semi finais que foram em jogo único, dentro de casa o Comercial fez valer o mando de campo e venceu Linhares por 4x2 garantindo vaga na final. As adversárias seriam Vila Nova que na primeira fase perderam por 4x2 e empataram em 0x0, mas não é que as coloradas aprontaram em pleno Independência e venceram por 2x0 conquistando o I Campeonato Capixaba de Futebol feminino.

Em 2011 o Comercial futebol feminino conquista seu primeiro título a nível estadual, a equipe sagrou-se campeã da Copa Espírito Santo, a campanha contou com 7 vitórias em 8 jogos na 1ª fase, 19 gols marcados, 4 sofridos, com isso o Comercial foi com a vantagem para a final contra o Vila Nova. na partida de ida empate em 2x2, na partida de volta o Comercial atropelou por 4x0 e levou a taça para Castelo. No primeiro semestre ficou de fora ainda na primeira fase pois apenas 1º e 2º avançavam e a equipe terminou em 3º, foi a única vez que o Comercial foi eliminado ainda na primeira fase do estadual.


Campanha Copa Espírito Santo 2011 

Turno
Vila Nova-ES 0 x 1 Comercial (Sesi de Cobilândia)
Comercial-ES 2 x 0 Selc (Independência)
Colatina 0 x 3 Comercial (Justiniano de Mello e Silva)
Comercial-ES 2 x 0 Goiabeiras (Independência)
Returno
Comercial-ES 1 x 2 Vila Nova (Independência)
Selc 1 x 3 Comercial (Ass. de Moradores de Laranjeiras)
Comercial-ES 4 x 1 Colatina (Independência)
Goiabeiras 0 x 3 Comercial (Municipal de Itaguaçu)

Final

Partida de ida
Vila Nova-ES 2 x 2 Comercial-ES (Gil Bernardes)
Partida de volta
Comercial-ES 4 x 0 Vila Nova-ES (Independência)


Em 2012 o Comercial precisou se superar para conquistar o título, na partida de ida o Comercial sofreu uma derrota  de 5x2 para o time da Unesc de Colatina, restava apenas ao time castelense uma goleada por quatro gols para ficar com o título. na volta Patrícia fez 1x0 Comercial.
No início da 2ª etapa Patrícia fez 20. Na sequência Camila fez 3x0, resultado que levaria a partida para a decisão nos pênaltis por não ter gol fora. Mas a poucos minutos do fim, Talita marcou 4x0 e decretou virada sensacional do Comercial que com isso conquistava seu primeiro título capixaba garantindo vaga na Copa do Brasil pela segunda vez já que em 2012 enfrentou o São José/SP e acabou eliminada ainda na partida de ida ao ser derrotada por 4x0.


Em 2013 o Comercial começou a caminhada belo Bicampeonato com goleada por 4x1 sobre o Vila Nova de Vila Velha, na rodada seguinte 1x0 sobre o Projeto S.E.L.C de Vitória, fechando o turno 5x1 sobre Jardinense e Cariacica. No returno a aplicou sonoro 6x1 no Vila Nova, o empate em 3x3 com Selc surpreendeu muita gente, na rodada seguinte a partida contra Jardinense foi cancelada mas o Comercial já estava com vaga garantida na final. 

Final que foi contra Projeto Selc, na partida de ida empate em 1x1 deixava as meninas tricolores próximas do Bicampeonato, título que veio após bela vitória por 3x0. 
Na Copa do Brasil de Feminino de 2013, o Comercial perdeu em casa por 1x0 para Foz Cataratas, na volta no Estádio Pedro Basso em Foz do Iguaçu, Paraná, precisando a vitória de qualquer forma o Comercial não conseguiu marcar seu gol e o placar em 0x0 eliminou a equipe capixaba.

Campanha
Turno
Vila Nova 1 x 4 Comercial 
Projeto S.E.L.C 0 x 1 Comercial 
Comercial 5 x 1 Jardinense 
Returno
Comercial 6 x 1 Vila Nova 
Comercial 3 x 3 Projeto S.E.L.C
Jardinense (cancelado) Comercial 

Final

Partida de ida
Projeto S.E.L.C 1 x 1 Comercial S.C
Partida de volta
Comercial 3 x 0 Projeto S.E.L.C

Em 2014 conquista o direito de participar da Copa do Brasil de Feminino de 2014 ao conquistar o título da Copa dos Campeões do Espírito Santo contra o time do Projeto SELC, campeão da Copa Espírito Santo de 2013
No Campeonato Capixaba Feminino de 2014 o Comercial foi um verdadeiro rolo compressor, aplicou goleadas histórias. Logo na estréia 11x0 no Jardinense, na rodada seguinte 7x0 no Anchieta, depois veio 5x1 Vilavelhense, os 5x3 no Vila Nova foi a partida mais "apertada", depois dela 5x0 no Projeto Selc, mas contra Jardinense é que veio a partida dos sonhos, vitória por incríveis 16x0, já classificada a equipe teve duas partidas vencidas por W.O com placar de 3x0 contra Anchieta e Vila Nova, a roda final foi cancelada pois já estava tudo decidido. 
A final seria diante do Vila Nova o mesmo do W.O, na partida de ida o Comercial aumentou ainda mais sua vantagem ao vencer por 3x1, agora poderia perder por um gol de diferença que a taça ainda seria sua, e foi oque aconteceu, a derrota por 2x1 não foi o bastante para tirar o título do Comercial agora Tricampeã Capixaba feminino. 
Na Copa do Brasil de 2014, o Comercial encarou o Vasco/RJ no Estádio Emílio Nemer sendo goleada por 5x1 co isto sendo eliminada prematuramente ainda na partida de ida, de consolo  Lane marcou o primeiro gol em competições nacionais do clube.

Campanha

Comercial 11 x 0 Jardinense
Anchieta 0 x 7 Comercial
Comercial 5 x 1 Vilavelhense 
Vila Nova 3 x 5  Comercial 
Comercial 5 x 0 Projeto S.E.L.C.
Jardinense 0 x 16 Comercial 
Comercial 3 x 0  Anchieta (W.O.)
Vilavelhense 0 x 4 Comercial 
Comercial 3 x 0 Vila Nova  (W.O.)
Projeto S.E.L.C. (cancelado) Comercial.

Final
Partida de ida
Vila Nova 1 x 3 Comercial 
Partida de volta
Comercial 1 x 2 Vila Nova 
Meninas campeãs estaduais em 2014

Em 2015 o Comercial seguiu aplicando goleadas sensacionais como 7x0 no Marataízes Raridade e 5x0 no Jardinense, mas de quebra acabou sentindo na pele um pouco do seu próprio veneno ao sofrer goleada de 4x1 para União Selc, rivais que seria as adversárias na Semi final.
Na partida de ida o empate em 2x2 deixava o Comercial em uma situação inédita de ter que decidir fora de casa e isso parece ter pesado um pouco pois na volta sofreu derrota por 3x1 no Campo do Vale dos Reis em Cariacica e com isso viu o sonho do Tetra acabar.
Na Copa do Brasil de Feminino de 2015, o Comercial perde em casa por 3x0 para o Kindermann/SC que foi a equipe campeã da competição e é novamente eliminada ainda na partida de ida.


Comercial na Copa do Brasil partida contra o Vasco da Gama
Modelo alternativo de uniforme do Comercial

Em 2016 novamente na briga pelo título o Comercial encerra a primeira fase com os mesmos 13 pontos do Vila Nova, mas devido o saldo de 12 contra 16 das rivais fica em 2º tendo que decidir fora.

Na partida de ida dentro de casa no Estádio Independência empate em 1x1, agora só a vitória fora interessava, mas o Gil Bernardes o Vila Nova fez 1x0 e o Comercial não teve forças para virar terminado assim com seu segundo vice campeonato.


Vista parcial do gramado
Em 2009 após tempestade em Castelo o Estádio foi alagado e as piscinas do clube social sem encheram de lama, o alambrado caiu e o Comercial foi obrigado a fazer uma reconstrução de seu patrimônio.






quarta-feira, 15 de março de 2017

Linhares Esporte Clube

Nome : Linhares Esporte Clube
Data : 15 de março de 1991
Local : Linhares
Estádio : Guilherme Augusto de Carvalho "Guilhermão"
Títulos : Campeonato Capixaba Série A 1993,1995,1997 e 1998
Vice Campeão Capixaba 1996
Guilherme Augusto de Carvalho "Guilhermão"
Guilherme Augusto de Carvalho "Guilhermão"


O Linhares Esporte Clube durou uma década apenas, mas fez um tremendo sucesso até a nível nacional. Fundado em 15 de março de 1991 dois anos depois já levantava seu primeiro troféu estadual da Série A, o clube teve origem após a fusão do Industrial Esporte Clube e do América Futebol Clube, rivais que somando forças planejavam vôos mais altos no futebol capixaba e até nacional. O time foi meteórico, 4 títulos capixabas, melhor campanha da história do futebol capixaba na Copa do Brasil, chegando as semi finais da competição em 1994, além do vice em 1993, e as semi finais de 1991 e 1992.

Sua grande rivalidade em relação a disputa de títulos era com a Desportiva Ferroviária , com quem dividiu a hegemonia do capixabão entre 1992 e 2000, com 4 títulos para cada um. Porém só ocorreu uma final direta entre as equipes em 1996, vitória para a Desportiva.
Mas com o São Mateus por ser da Região Norte do estado próximo a Linhares era a maior rivalidade, a rivalidade também era grande pois Industrial e América participantes da fusão também já cultivavam rivalidade com a equipe de São Mateus.



Em 1991 aconteceu a primeira partida da história do Linhares E.C na Série A estadual, em 4 de agosto o Linhares foi até o Estádio do Bambu derrotar o Aracruz por 2x1, o Linhares teve uma campanha incrível na 1ª fase, em  16 jogos venceu 9, empatou 6 e perdeu apenas um, marcou 23 gols sofreu apenas 10, a única derrota veio na 7ª rodada ao perder por 1x0 para o São Mateus, ali uma rivalidade que já vinha dos tempos de América e Industrial ganhava mais força que nunca. No returno o Linhares devolveu com juros a derrota, batendo o São Mateus por 3x1, a equipe classificou com sobras com 24 pontos contra 21 de Desportiva e Colatina, lembrando que na 1ª fase eram duas chaves com 9 equipes onde apenas 1º e 2º lugares avançavam.
Nas semi finais o Linhares enfrentaria o Muniz Freire que mesmo em 2º lugar na sua marcou um ponto a menos que o Linhares líder na sua, detalhe, o Muniz venceu 10 partidas contra 9 do Linhares. Vem a partida de ida e o Linhares participa de um filme de terror, o Muniz Freire atropela e vence por 5x1 transformando o Estádio José Ibrahim Nicolau em um verdadeiro pesadelo para o time linharense que via sua vantagem cair por terra. Na volta precisando vencer por 4 gols de diferença o Linhares marcou 3 vezes mas sofreu 2 com isso no agregado Muniz Freire 7x4 Linhares. A eliminação foi dolorosa porém o Linhares encerrava sua primeira participação profissional com a 3ª posição entre 18 equipes, de quebra ficou marcado por rebaixar o Rio Branco Atlético Clube em plena sua casa o Estádio Kleber Andrade ao vencer por 2x0 com dois gols de Arildo Ratão ainda na 1ª etapa, isso faltando 3 rodadas para o fim da 1ª fase, foi o primeiro rebaixamento da história da equipe mais vezes campeã capixaba.

Em 1992 novamente o Linhares desempenhou ótimo papel na Série A, e correspondeu as expectativas em relação ao ano anterior, tanto que repetiu o 3º lugar na competição, ficando atrás apenas da grande zebra Comercial de Muqui que os eliminou nas semi finais e da Desportiva campeã, a equipe grená era um grande time, Washington e Andrade jogadores nacionais de renome, foram outros vários bons atletas capixabas, no turno no Araripe derrota por 1x0, no returno em Linhares vitória por 2x0, com isso o Linhares foi muito bem contra a Desportiva que era da 1ª divisão do futebol brasileiro pois havia conquistado acesso antes do estadual que foi o 2º semestre.

Em 1993 o Linhares era um dos favoritos ao título, e provou que era mais que merecido o favoritismo, a equipe chegou a ficar 13 partidas consecutivas sem derrotas, só perdeu na última rodada do returno quando tudo já estava resolvido na classificação com a liderança da primeira fase garantida, no turno em 7 partidas venceu 2 empatou 5, já no returno engatilhou 3 vitórias seguidas, destaque para as vitórias por 3x0 sobre o Santos em Barra de São Francisco e no Colatina em casa, a derrota por 1x0 para o Vitória em nada influenciava a disputa das quartas finais contra o Rio Branco. 

Capixaba 1993
1º Turno
Linhares 0x0 Santos Barra de São Francisco
Aracruz 1x1 Linhares
Linhares 2x0 São Mateus
Nova Venécia 2x2 Linhares
Linhares 2x1 Desportiva
Colatina 0x0 Linhares
Linhares 0x0 Vitória
 2º Turno
Santos de Barra de São Francisco 0x3 Linhares
Linhares 2x0 Aracruz
São Mateus 0x1 Linhares
Linhares 1x1 Nova Venécia
Desportiva 0x1 Linhares
Linhares 3x0 Colatina
Linhares 0x1 Vitória

O adversário vinha com Linhares atravessado na garganta depois dos 2x0 que decretaram o rebaixamento do Rio Branco para Série B em pleno Kleber Andrade em 91, na partida de ida porém nova derrota rio branquense, com gol de Tinco o Linhares venceu por 1x0 e poderia perder por até um gol de diferença em casa para avançar a semi final. Na partida de volta no Estádio Guilhermão o Linhares vence novamente, agora por 3x2 e garante a vaga para a 3ª semi final consecutiva.

Quartas de Final
Partida de ida
Rio Branco 0x1 Linhares

Partida de volta
Linhares 3x2 Rio Branco

Agora era hora de quebrar o tabu e ultrapassar a barreira das semi finais, e desa vez era o Linhares que vinha com adversário atravessado na garganta, o Comercial de Muqui vice campeão em 92 eliminou o Linhares  justamente nesta fase, a classificação não foi nada fácil, após dois empates em 1x1 o Linhares avançou de fase, por ter a melhor campanha jogava por 2 resultados iguais, finalmente o estigma de cair na semi final acabou. 
  Semi Final
Partida de ida
Comercial de Muqui 1x1 Linhares

Partida de volta
Linhares 1x1 Comercial de Muqui

Agora o Aracruz era o rival na briga pelo título inédito para as duas equipes. Na partida de ida em Aracruz no Estadio Eugênio Bitti os donos da casa precisavam vencer para reverter a vantagem do empate do Linhares, mas a tarefa era dura, o Linhares chegava para sua 19ª partida com apenas uma única derrota, o Aracruz foi valente e foi pra cima, em vários momentos empurrou o Linhares para sua área de defesa até que fez 1x0 com Careca de cabeça, a equipe vencia a partida até o último minuto praticamente quando uma falta para o Linhares deixou a torcedor tenso...Arildo Borges ajeita a bola e bate com categoria e manda no ângulo de Júnior que vinha fazendo ótima partida, golaço era o gol de empate que deixava o Linhares a um empate do título, ao Aracruz restava vencer em pleno Guilhermão para levar o troféu. 
Em 27 de junho Estádio Guilhermão lotado, cerca de 7,512 pagantes para ver um novo campeão capixaba, a torcida local na certeza que seria eles, o Linhares escalado pelo seu treinador Jorginho Namorador com Hércules, Canário, Luciano, Ivan Baiano, Silvio, Rocha (Jean), Leandro, Tião, Tinco, Cássio (Julinho), Arildo Borges. O Aracruz escalado por Wilson Coutinho vom Júnior, Humberto, Tobi (Emerson), Careca, Marquinhos, Piva, Koki, Walbert, Toninho, Flávio e Fazoli. Nas partida mesmo com a vantagem do empate o Linhares não se acomodou, não teve essa de jogar com regulamento embaixo do braço, tanto que abriu placar com Tinco mas foi invalidado marcado impedimento, Arildo Borges ainda acertou o travessão em cobrança de falta lances ambos na 2ª etapa, a torcida do Linhares já sentia o gostinho de campeão quando Emerson sai frente a frente com Hércules mas na hora do domínio estica demais a bola com isso perde o ângulo e não finaliza perdendo assim a chance de marcar o gol do título, poucos segundos depois Geomar Costa apita o fim da partida, Linhares E.C Campeão Capixaba de 1993!!! Na campanha quase perfeita o Linhares não deu chance para a Desportiva atual campeã vencendo por 1x0 e 2x1, ainda teve Ely Mario Teixeira Machado o Tinco artilheiro da competição com 10 gols.

Final
Partida de ida
Aracruz 1x1 Linhares

Partida de volta
Linhares 0x0 Aracruz
Linhares campeão capixaba de 1993


Em 1994 o estadual não teve mata mata, a fórmula de disputa foi em turno e returno todos contra todos pontos corridos e o Linhares fez sua pior campanha se é que pode se dizer isso de uma 5ª posição entre 16 equipes. Sua faixa de campeão foi carimbada pelo Rio Pardo de Iúna por 2x0 na estreia, na partida seguinte vitória por 2x0 sobre o Castelo depois 3x1 sobre Colatina, nas rodadas seguintes vieram 4 empates seguidos, 1x1 no clássico contra São Mateus, 1x1 com Rio Branco mostrando que o Linhares se sentia em casa no Kleber Andrade, 1x1 com Nova Venécia, e 1x1 com a Desportiva, na 8ª rodada veio a primeira derrota 1x0 para Estrela do Norte. Vitórias contra Rio Branco de Venda Nova e 
Mariano de Aracruz por 1x0 e 2x0 sobre Comercial de Alegre deram ânimo ao time mas a derrota por 2x0 para o Aracruz primeira partida depois da final de 93 brecou a reação, mas depois disso uma sequência ótima, 1x0 no Alfredo Chaves, 2x0 Castelo, 3x1 no Colatina e no São Mateus, 2x0 no Rio Branco que seguia sem nunca vencer o Linhares e 3x0 no Nova Venécia, mas a derrota por 1x0 em casa para o Estrela e o empate em 2x2 com a Desportiva e 1x1 com Rio Branco de Venda Nova distanciaram o Linhares da briga pelo título, nas rodadas seguintes até houve outra tentativa de reação, 4x0 no Mariano, derrota por 2x1 para o Comercial de Alegre, vitória por 3x2 no Muniz Freire, 2x0 no Vitória, 1x0 no Aracruz, mas era tarde demais, já se chances de título derrotas por 2x1 para Alfredo Chaves e massacre humilhante de 6x1 para o Rio Pardo, esta a maior goleada sofrida pelo Linhares na sua curta história. Foram 14 vitórias, 8 empates, 8 derrotas, 33 gols marcados contra 13 sofridos, 36 pontos, 10 pontos a menos que a Desportiva campeã.

A surpresa mesmo estava guardada para a Copa do Brasil de 1994, o Linhares assombrou o Brasil. Na campanha da Copa do Brasil de 1994 logo de cara o Linhares encarou o Fluminense/RJ. 
Na ida no Rio de Janeiro o Linhares começou muito bem abrindo placar do Arildo Borges aos 16 minutos de jogo, mas na saída de bola Mário Tilico empatou. Na segunda etapa Rocha recolocou Linhares na frente aos 11 minutos, mas Wallace aos 33 salvou o Fluminense da derrota, empate em 2x2 deixava o Linhares a um 0x0 da classificação. Na partida de volta em 18 de março de 94 no Engenheiro Araripe Luiz Henrique fez 1x0 Fluminense aos 44 do 1º tempo, a partida seguiu com chances para os dois lados até que o relógio marcava 43 minutos quando Arildo Borges fez o inesperado gol da classificação, inesperado para quem não conhecia o time do Linhares, empate em 1x1 eliminava o time carioca e surpreendia o Brasil. 
Na fase seguinte o São José/AP, na ida no Estádio Guilherme Carvalho "Guilhermão" empate em 0x0. Na volta no Amapá o Linhares precisou se superar, além de um rival que abriu 2x0 com Varela aos 30 e aos 31 ainda no primeiro tempo, um temporal castigou o gramado do Zerão que estava muito pesado. A reação capixaba começou com China aos 5 minutos do 2º tempo, 10 minutos mais tarde Rocha empatou tudo, resultado que dava a vaga ao Linhares, mas acontece outra dificuldade, com a expulsão de Helinho o Linhares passa jogar com 10 contra 11, mesmo assim Arildo aos 43 faz o gol da vitória linharense e carimba de vez a classificação  para inédita Oitavas de final.
Dois dados curiosos sobre esta partida, o 1º deles é que ainda na primeira etapa durante um ataque do Linhares, Clivaldo goleiro do São José fez uma defesa e é observado por um torcedor ao lado da trave  como se nada tivesse acontecendo, o outro dado é em relação apelido do Estádio Milton de Souza Corrêa "Zerão", se deve ao fato de que a linha de meio-de-campo coincide exatamente com a linha do Equador segundo um dos sistemas de coordenadas geodésicas em uso no Brasil, fazendo com que cada time jogue em um hemisfério. 

Nas quartas de final o Linhares passou pelo Comercial/MS, após vencer por 1x0 gol de Vandick aos 14 do 1º tempo no Estádio Guilherme Augusto de Carvalho  enfim vence uma partida em casa. Na partida de volta o Linhares ficou mais próximo de avançar quando Gelsinho fez 1x0 aos 42 do 1º tempo, agora o Comercial era obrigado a virar para 3x1 mas só conseguiu mesmo empatar aos 15 do 2º tempo com Neilor, o Linhares avançava em  Campo Grande/MS para uma semi final histórica.
Nas semi finais duas zebras se encarando, de um lado o Linhares do outro o Ceará, que havia eliminado Campinense/PB, Palmeiras/SP e Internacional/RS.
Na partida de ida no Castelão empate em 0x0, Hiran anos depois deu a seguinte declaração, "A gente perdeu a vaga naquele jogo de ida, lá perdemos a classificação". O motivo segundo ele era o famoso "bicho", a diretoria ofereceu mil reais para cada gol no Castelão, com isso jogadores ao invés de procurar o companheiro melhor posicionado, buscavam o gol mesmo em jogadas onde não tinham chances claras de gols. Na partida de volta derrota por 1x0 no Engenheiro Araripe acabou como sonho de fazer a final contra o Grêmio. A ganância eliminou o Linhares, segundo o goleiro Hiran, o mesmo que jogou no Guarani/SP e Internacional/RS inclusive marcando gol de cabeça. Lembrando que aqui a fusão entre América e Industrial havia sido encerrada, os dirigentes do Industrial propuseram unir os patrimônios em um só, como os dirigentes do América foram contrários a fusão se encerrou, o América seguiu seu caminho, já o Industrial passou a se chamar Linhares Esporte Clube oficialmente.


Campanha Copa do Brasil 1994
1ª Fase
Fluminense/RJ 2x2 Linhares
Linhares 1x1 Fluminense/RJ
Oitavas de final
Linhares 0x0 São José/AP
São José/AP 2x3 Linhares
Quartas de final
Linhares 1x0 Comercial/MS
Comercial/MS 1x1 Linhares
Semi final
Ceará/CE 0x0 Linhares
Linhares 0x1 Ceará/CE

Linhares x Ceará Copa do Brasil de 1994





Em 1995 a campanha não começou nada bem, o Linhares foi até o Engenheiro Araripe e sofreu goleada de 4x0 para a Desportiva. Mas duas rodadas depois o Linhares se recuperava e aplicava 4x0 no Aracruz, na rodada seguinte fez mais e aplicou 5x0 no Santa Teresa, duas rodadas depois o clássico do Norte enfim o São Mateus vence o adversário, a vitória um 2x1 foi muito comemorado. No decorrer da campanha o Linhares não passou nenhum susto, aplicou 3x0 no Nova Venécia fechando o turno, na aberturado returno a Desportiva engasgada após os 4x0, mas o Linhares não conseguiu desengasgar pois ficou no 1x1 detalhe que depois dessa partida a zaga do ataque do Linhares parou de funcionar como no turno, derrotou Rio Branco por 1x0, 1x1 com Aracruz, 1x1 com Santa Teresa, derrota de 1x0 para Vitória que era um adversário que não trazia vida fácil para o Linhares, vitória por 1x0 sobre São Mateus, 0x0 com Colatina e fechando a 1ª fase 1x0 sobre o Nova Venécia. Na classificação final o Linhares foi vice líder com 27 pontos 4 a trás da Desportiva.

Campanha de 1995
Turno
Desportiva        4x0  Linhares
Linhares          0x0  Rio Branco
Linhares          4x0  Aracruz
Santa Teresa      0x5  Linhares
Linhares          2x2  Vitória
São Mateus        2x1  Linhares
Linhares          2x1  Colatina
Nova Venécia      0x3  Linhares

Returno
Linhares          1x1  Desportiva
Rio Branco        0x1  Linhares
Aracruz           1x1  Linhares
Linhares          1x1  Santa Teresa
Vitória           1x0  Linhares
Linhares          1x0  São Mateus
Colatina          0x0  Linhares
Linhares          1x0  Nova Venécia

A 2ª fase reunia os 12 melhores em duas chaves de 6, o Linhares começou a ver o ataque funcionar nesta fase, marcando 2x1 no Alfredo Chaves, 2x1 Rio Branco de Venda Nova, 2x2 São Mateus, e 2x0 no Rio Branco, apenas o Muniz Freire não foi vazado.
No returno o empate em 1x1 com Alfredo Chaves e a derrota por 3x1 para o Rio Branco de Venda Nova fez os rivais ela briga nas semi finais encostarem, mas as vitórias por 1x0 sobre São Mateus e Muniz Freire colocaram o Linhares  nas semi finais  de forma antecipada. Na rodada fina da fase enfim o Rio Branco derrotou o Linhares pela primeira vez, placar de 5x3 em um jogão onde o Rio Branco ainda lutava pela vaga justamente contra o seu xará Rio Branco de Venda Nova que levou a melhor ao derrotar o Muniz Freire por 2x1 e avançar.

2ª Fase
Turno
Linhares          2x1  Alfredo Chaves
Rio Branco de Venda Nova     1x2  Linhares
São Mateus        2x2  Linhares
Muniz Freire      0x0  Linhares
Linhares          2x0  Rio Branco
Returno
Alfredo Chaves    1x1  Linhares
Linhares          1x3  Rio Branco de Venda Nova
Linhares          1x0  São Mateus
Linhares          1x0  Muniz Freire
Rio Branco        5x3  Linhares

Nas semi finais uma surpresa o Mimosense que também vinha através de uma fusão entre rivais, o Sport Club Ypiranga se uniu com Independente Atlético Clube dando vida ao Mimosense Futebol Clube, que jogando no Estádio Coronel Paiva venceu por 2x1 e agora jogaria pelo empate para chegar a final. Mas o Linhares não queria ficar pelo caminho em outra semi final e foi com tudo, resultado acabou goleando por 4x0 avançando a final.
   
Semi final
Partida de ida
Mimosense 2x1 Linhares
Partida de volta
Linhares 4x0 Mimosense

Outra final inédita, outra vez duas equipes do interior, o Rio Branco de Venda Nova era a sensação do estadual, eliminou a Desportiva que tinha a melhor campanha da competição. Na partida de ida no Olípio Perim as equipes ficaram no empate por 1x1, agora o Rio Branco precisava vencer o Linhares fora de casa para levantar o troféu. Mas na volta Jorginho fez 1x0 de cabeça após falha de Zé Carlos que escorregou na jogada deixando o gol livre. Afonso empatou em 1x1 depois de um pênalti polêmico, resultado que ainda dava o título aos donos da casa, o Rio Branco se lançou para o ataque deixando vários espaços e em um deles o Linhares até fez 2x1 mas foi assinalado impedimento, placar final empate em 1x1 que deu mais um título estadual ao Linhares Esporte Clube.

Final
Partida de ida
Rio Branco de Venda Nova 1x1 Linhares
Partida de volta
Linhares 1x1 Rio Branco de Venda Nova
Os campeões de 1995


Em 1996 o Linhares entrou simplesmente arrasador, goleou Rio Branco por 3x0, na rodada seguinte devolveu os 4x0 na Desportiva sofrido em 1994, derrotou o São Mateus por 1x0 , 4x2 no Colatina e 1x0 no Vitória, com isso já garantia vaga na fase seguinte, mesmo classificado o Linhares não foi derrotado, venceu São Mateus por 3x1 e Vitória por 2x1, além de empatar em 0x0 com Colatina e 1x1 com Rio Branco e Desportiva.
Na 2ª fase as primeiras duas rodadas não foram boas, derrota por 1x0 para a Desportiva e 1x0 para Rio Pardo, mas nem o mais otimista torcedor linharense poderia esperar oque aconteceria no confronto contra o Muniz Freire, o Linhares venceu por incríveis 10x0, mas tem uma explicação, houve uma epidemia de gripe no time todo, o técnico do Muniz Freire por exemplo estava acamado. O time viajou sem médico e comissão técnica oficial e sem jogadores reservas. Alem disso tudo o Muniz Freire ainda teve dois jogadores expulsos na primeira etapa jogando com 8 jogadores o segundo tempo inteiro. 
Após derrotar Alfredo Chaves e empatar com Rio Branco de Venda Nova em 0x0 o Linhares dependia apenas de suas forças para avançar ao Quadrangular final, e fez muito bem a sua parte, venceu Comercial de Alegre e Mimosense por 2x0.

No Quadrangular final a briga foi contra Desportiva, Alfredo Chaves e Rio Pardo, a estreia foi com vitória por 2x1 no Alfredo Chaves, depois vieram dois empates 0x0 com Rio Pardo e 1x1 com a Desportiva.  No returno o empate em 2x2 com Alfredo Chaves e a goleada por 3x0 no Rio Pardo colocava o Linhares com 10 pontos contra 12 da Desportiva, as equipes se enfrentariam na última rodada valendo o título, foi uma verdadeira final e pela primeira vez os dois papa títulos da década de 90 ficariam frente a frente para decidir o campeão. Agnaldo fez 1x0 Desportiva aos 32 do 1º tempo resultado que deixava o Linhares na obrigação de virar a partida para levar o título, aos 30 do 2º tempo o Linhares buscou o empate graças ao gol contra de Luciano Silva da Desportiva, o time até foi para o abafa tentando virar mas não conseguiu e ficou com o vice. Durante o estadual o Linhares enfrentou outro carioca na estreia da Copa do Brasil, será que era um sinal de que a história se repetiria? a resposta ficou clara na ida após derrota por 1x0 para o Flamengo/RJ, na volta foi ainda pior com Linhares sendo goleado por 4x0 ficando apenas na 1ª fase desta vez.


1997 o estadual começou promissor goleada por 3x0 no São Mateus, a equipe ficou 10 partidas sem derrota, só conheceu a primeira derrota na primeira rodada do returno ao perder justamente para o São Mateus por 1x0. A campanha foi recheada de ótimas vitórias, 3x0 sobre o Rio Branco de Venda Nova, 4x0 no Comercial de Alegre, 3x0 no Vitória e 3x0 no capixaba de Guaçuí.

Campanha de 1995
1º Turno Linhares 3x0 São Mateus
Comercial de Alegre 0x0 Linhares
Linhares 1x0 Rio Pardo
Linhares 3x2 Muniz Freire
Vitória 0x1 Linhares
Rio Branco da Vitória 0x2 Linhares
Linhares 3x0 Rio Branco de Venda Nova
Estrela 0x0 Linhares
Linhares 0x1 Desportiva 
Linhares 1x0 Aracruz
Capixaba 2x3 Linhares

2º Turno São Mateus 1x0 Linhares
Linhares 4x0 Comercial de Alegre
Muniz Freire 2x1 Linhares
Linhares 3x0 Vitória
Linhares 1x0 Rio Branco de Vitória
Rio Branco de Venda Nova 2x2 Linhares
Linhares 1x2 Estrela
Desportiva 0x0 Linhares
Aracruz 1x0 Linhares
Linhares 3x0 Capixaba

Após garantir vaga por antecipação nas semi finais o Linhares de melhor campanha enfrentou o Estrela do Norte 4º colocado, que na primeira fase não havia perdido para o Linhares ainda, nas duas partidas disputadas, 0x0 e 2x1 Estrela. 
Mas na partida de ida no Sumaré o Linhares já garantiu a vaga após aplicar uma goleada de 4x0, isso forçava o Estrela vencer por 5 gols de diferença na partida de volta. Nela o Linhares voltou a vencer, agora por 2x0 conquistando a vaga para a final.

Semi Final 
Estrela 0x4 Linhares
Linhares 2x0 Estrela

Na final o clássico do Norte contra o São Mateus. Na ida no Sernamby em 22 de junho no Sernamby aos 24 Iran fez 1x0 São Mateus, mas aos 35 Robson empatou na mesma moeda de cabeça após cobrança de córner. No 2º tempo o Linhares virou com zagueiro Pinheiro após bola lançada na área, a zaga do São Mateus parou pedindo impedimento que não foi assinalado por Antônio Buaiz, ao final da partida Leandro que foi campeão pelo Linhares em 1993 e estava agora no São Mateus agrediu Cláudio Guijanski, bandeirinha com um soco por não marcar impedimento na jogada do gol, a Polícia Militar teve um trabalho tremendo para conter as confusões criadas pela torcida mateense que arremessou pedras nos jogadores e torcedores adversários, depredou carros nas ruas e brigou com torcedores do Linhares que também não corriam de uma confusão.
Em 29 de junho o Estádio Guilhermão recebia outra decisão de título, na partida Pinheiro novamente marca para o Linhares aos 8 da 2ª etapa, agora o São Mateus precisava de uma virada para 3x1 para levar o título inédito. Aos 14 Marcelo Cabeção empatou a partida de pênalti, mas ficou nisso mesmo empate em 1x1 que deu o título ao Linhares, o jogo foi tenso ao extremo, foram distribuídos por Paulo César Gomes 14 cartões amarelos. O Linhares foi a campo com Dirley, Polaco, Pinheiro, Sergio Andrade, Rogério tatu, Édson Garcia, Rossi, Marquinhos (Igor), Mauro, Glaédson (Peres e Robson (China), o São Mateus jogou com Everaldo, Daniel, Gílson, Édson Cavalini, Toninho Amazonense, André Pimpolho, Evaldo, Boiadeiro, Lepu, Marcelo Cabeção e Robertinho.

Final
Partida de ida
São Mateus 1x2 Linhares

Partida de volta
Linhares 1x1 São Mateus


Os campeões de 1997


Em 1998 o Linhares  passou por 2 turnos contra 11 equipes, no 1º turno o Linhares foi líder empatado com o Vitória em 19 pontos, a diferença foi no saldo de gols 5 do Linhares contra 3 do Vitória, o título do turno só veio na ultima rodada na vitória de 2x0 sobre o Rio Branco em Venda Nova do Imigrante, na mesma rodada o Vitória derrotou o São Mateus por 2x1.
No segundo turno já garantido na fase final o Linhares não passou de uma 9ª posição. Com isso Linhares, Rio Branco de Vitória campeão do 2º turno, São Mateus 3º melhor colocado e Vitória 4º maior colocado foram para a fase final decidir o campeão.

Campanha do Linhares
1º turno
Linhares 0x0 São Mateus
Linhares 1x1 Serra
Comercial de Alegre 4x2 Linhares
Linhares 1x0 Rio Branco de Vitória
Linhares 3x1 Aracruz
Desportiva 0x0 Linhares
Linhares 3x2 Mimosense
Estrela 0x1 Linhares
Linhares 1x1 Vitoria
Rio Branco de Venda Nova 0x2 Linhares

2º turno
São Mateus 1x1 Linhares
Serra 1x1 Linhares
Linhares 1x0 Comercial de Alegre
Rio Branco de Vitória 1x1 Linhares 
Aracruz 1x0 Linhares
Linhares 0x3 Desportiva
Mimosense 1x0 Linhares
Vitoria 1x0 Linhares
Linhares 2x0 Estrela
Linhares 3x1 Rio Branco de Venda Nova

No Quadrangular final na 1ª rodada São Mateus e Rio Branco ficaram no 1x1, o Linhares saltou na frente derrotando o Vitória no Salvador Costa por 1x0.
Na segunda rodada Linhares 1x1 São Mateus, Rio Branco 0x0 Vitória.
Na 3ª rodada tanto Vitória e São Mateus quanto Linhares e Rio Branco ficaram todos no 1x1. 
Na rodada seguinte com os mandos de campo invertidos o 1x1 voltou a se repetir nas duas partidas.
Na penúltima rodada enquanto o clássico do norte São Mateus e Linhares ficavam no 1x1, no clássico da capital Vitória perdia outra em casa por 1x0, esta para o Rio Branco.
Ultima rodada só o Vitória não tinha mais chances de título e em casa encarava o Linhares que tinha 8 pontos, Rio Branco com 7 pontos jogava em casa contra o São Mateus 5 pontos...
Naquele 7 de julho o São Mateus derrotava o Rio Branco no Kleber Andrade por 2x1 e o Linhares vencia do Vitória por 2x0 conquistando seu Tetracampeonato capixaba! 93/95/97/98.
Ainda em 1998 veio a segunda a terceira participação na Copa do Brasil, na 1ª fase o adversário foi o América/RN, após 0x0 no Espírito anto a classificação veio com empate em 1x1 em Natal, na fase seguinte o Grêmio grande bicho papão da competição, isso não assustou o Linhares  que não se intimidou com o 0x0 no Espírito Santo e jogou de igual para igual dento de suas possibilidades contra o Grêmio, no Olímpico perdeu por 2x0, e desde então os capixabas não obtiveram mais sucesso na competição até hoje.

Quadrangular final
Vitoria 0x1 Linhares
Linhares 1x1 São Mateus
Linhares 1x1 Rio Branco
Rio Branco 1x1 Linhares
São Mateus 1x1 Linhares
Linhares 2x0 Vitoria

Os campeões de 1998

Em 1999 o Linhares seguiu a rotina de brigar pelo título capixaba, após campanha discreta na primeira fase, onde terminou o turno em 4º lugar com 4 vitórias, 5 empates e  2 derrotas, 8 gols marcados contra 5 sofridos, no returno 6 vitórias, 3 empates e 2 derrotas com 13 gols a favor e 9 sofridos em 2º lugar o Linhares avançou ao Quadrangular final com a 4ª melhor campanha na soma geral.
No Quadrangular seguiu sendo carrasco do Rio Branco vencendo por 1x0 na estreia fora de casa, porém perdeu para o São Mateus por 2x0 em casa e 1x0 para o Serra fora.
No returno após empatar com Serra em 2x2 em casa voltou a vencer o Rio Branco que nem precisa comentar que era freguês de carteirinha. Mas o Serra já conquistava o estadual de fora antecipada com a vitória por 1x0 sobre o São Mateus, para fechar sua participação derrota por 1x0 para o São Mateus.
Neste mesmo ano veio outra Copa do Brasil,  adversário foi o Atlético/MG, a derrota por 3x0 na ida eliminava o Linhares sem necessidade da volta, e mostrava que o time já não tinha mais o mesmo folego.

Em 2000 o Linhares entrava sem muitas pretensões no estadual, até fez partidas interessantes como os 5x1 no Aracruz, 2x0 no Rio Branco, 1x0 no São Mateus, mas o grande vilão do Linhares foi o Vitória Futebol Clube. No fim do primeiro turno o Linhares chegava com 18 pontos precisando apenas de um empate para avançar as Semi finais desta fase, mas com a derrota por 2x1 para o Vitória viu a vaga ir para o Santa Maria que derrotou o Riachuelo fora e conquistou a vaga no número de vitórias 5 contra 4.
No returno a eliminação foi ainda mais dolorosa, o Linhares precisava novamente apenas de um simples empate com o Vitória no Estádio Salvador Costa, mas oque se viu foi um verdadeiro massacre do time alvianil de bento Ferreira por 6x1, o Linhares perdia a vaga para o Riachuelo que depois de vencer o Santa Maria por 1x0  chegou aos mesmos 19 pontos do Linhares porém o saldo de gols era de +5 contra -1 do Linhares detalhe que antes desta rodada o Linhares tinha 19 pontos com +4 de saldo contra 16 pontos do Riachuelo que tinha os mesmos +4 de saldo, oque se diz nos bastidores é que o Linhares entregou o jogo devido salários atrasados, a gota d'água teria sido e a promessa não cumprida da diretoria de quitar tudo. 

Em 2001 todos apostavam que seria a pior campanha da história do Linhares, tinham razão, nas primeiras 9 rodadas nenhuma vitórias, foram 5 empates e 4 derrotas, só ficando a frente do Santa Maria que empatou 3 perdeu 6. 
No returno um alento, goleada por 3x0 sobre o São Mateus marcando o último encontro entre os rivais. O Linhares ainda derrotou Rio Branco por 1x0, mas não foram bastante para fazer o time chegar entre os 4 na classificação geral, o Linhares terminava em 7º lugar com 4 vitórias, 8 empates, 6 derrotas, com 22 gols a favor e 24 gols contra.
Após o título de 1998 que seria o último título do Linhares Esporte Clube, o clube começou a sofrer com as dívidas adquiridas nos estaduais passados, principalmente com a contratação de jogadores do interior de MG, RJ e SP que vinha jogava uma competição e iam todos embora. Dívidas com o INSS, Receita e de causas trabalhistas foram afundando o time, que acabou perdendo o estádio Guilherme de Carvalho, o "Guilhermão" onde era sua casa e acabou extinto em 2001. No mesmo ano nasceu  Linhares Futebol Clube que mesmo com escudo e nome semelhantes não tem nenhuma ligação.

Industrial Esporte Clube de Linhares

Nome : Industrial esporte Clube
Data : 15 de março de 1953
Local : Linhares

Estádio : Guilherme Augusto de Carvalho "Guilhermão"


Outro modelo oficial utilizado pelo Industrial


Estádio Guilherme Augusto de Carvalho

A história do Industrial Esporte Clube fundado em 15 de março de 1953 pode ser divido em duas partes. de 1953-1990 e 1991-2000. O Industrial é muito lembrado por participar da fusão com América Futebol Clube que deu origem ao Linhares Esporte Clube, equipe que nos anos 90 dominou o futebol capixaba ao lado da Desportiva sendo até semi finalista da Copa do Brasil em 1994, mas neste post vamos abordar apenas a história de 1953-1990 período antes da fusão.
Edílson da Silva Ferreira, mais conhecido como Edílson Capetinha Campeão do Mundo em 2002 e motivo de confusão com Industrial de Linhares, ele começou sua carreira no Industrial Esporte Clube de Santa Maria de Jetibá no ano de 1987 e não no Industrial Esporte Clube de Linhares.

Um grande ídolo do Industrial foi Mário Jorge, também conhecido como Chaminé ou Fumaça. Nascido no dia 30 de julho de 1954, em Linhares (ES), Mário Jorge começou a jogar cedo. Seus primeiros chutes foram no Industrial pelo qual atuou entre 1960 e 1973. Passou por Vasco/RJ, Atlético/MG entre outros.

No futebol profissional o Industrial disputou a Série B de 1987,1988, a Série A de 1970,1973,1976, 1977, 1979 e 1991.

Em 1970 a primeira partida do Industrial na história do estadual surpreendeu muita gente, ela aconteceu em 19 de julho no Estádio Salvador Costa e terminou com empate em 0x0 com o Vitória. 
A primeira vitória porém só foi acontecer na 6ª rodada diante da Ferroviária de João Neiva, placar de 3x2 em 26 de agosto. 
Na 10ª rodada outra grande surpresa, empate em 0x0 com a Desportiva Ferroviária. Na classificação geral a equipe encerrou na lanterna com 1 vitória, 4 empates e 9 derrotas, 8 gols marcados contra 25 sofridos. 
O returno começou igual o turno empate com UACEC agora em 1x1, 2x2 com Santo Antônio fora, derrota por 4x1 para o Rio Branco, empate em 1x1 com Vitória, em outro clássico contra o América empate por 1x1, na rodada final empate em 1x1 com a Desportiva fechando a participação da equipe em 7º lugar no returno com 5 pontos, 5 atrás de Vitória e Rio Branco líderes, na classificação geral Industrial encerrou com 1 vitória, 9 empates e 4 derrotas, 8 gols a favor novamente, 15 sofridos, detalhe que agora a equipe sofreu 10 gols a menos que em 1970.

Ladislau José Pereira discutindo com árbitro Ozíris Pizzol após uma partida entre Industrial e Rio Branco.

Em 1973 o clube retorna a Série A, este time ficou marcado por empatar demasiadamente suas partidas, em 14 jogos foram 9 empates. 
Começou empatando com UACEC em Colatina por 1x1, depois veio 0x0 com Santo Antônio, um surpreendente 1x1 com Rio Branco na capital, na rodada seguinte a primeira derrota 1x0 para o Vitória, depois um 0x0 com a Ferroviária em João Neiva, nova derrota, esta fora por 2x0 para a Desportiva e fechando o turno ótima vitória por 1x0 no clássico local contra o América de Linhares, assim o Industrial encerrou o turno em 5º lugar com 6 pontos, Rio Branco e Desportiva líderes fecharam com 11.

Após 2 anos longe do estadual a equipe retorna em 1976 para nova disputa. Desta vez consegue vencer duas vezes...Em 13 de junho o Industrial foi até Guarapari no Davino Matos e voltou com grande vitória. Acrísio aos 15 do 1º tempo marcou primeiro tento da partida, Samuel aos 38 abriu 2x0 Industrial. Na segunda etapa Paulo Roberto aos 30 marcou 3x0 para os visitantes, o Guarapari  só diminuiu aos 43 do Nando. O Industrial foi a campo com Zé Coco, Totinha, Zé Carlos, Deca, Teixeira, Paulo Roberto, Delvo, Zé Rubens, Berico, Samuel e Acrísio, o Guarapari foi com Lúcio, Montinho, Nélio, Russo, Edinho, Elísio, Ronaldo, Fernando, Mateus(Nando), Luciano e Luiz. 
. O Industrial encerrou em 8º lugar entre 10 equipes, com 7 pontos em 10 jogos, 2 vitórias, 3 empates e 5 derrotas, marcando 11 gols sofrendo 14.


O grande ano do Industrial foi em 1977, certame que começou com a equipe vencendo o Ceunes de Vitória por 2x0, a única na 1ª fase, nas 2 rodadas seguintes duas derrotas, uma para a Desportiva por 4x0 outra para o Vitória por 1x0 ambas na capital, o Industrial não conseguia mais vencer, e acabou sendo goleado  pelo Estrela do Norte por 4x0, depois de empatar com Santos de Barra de São Francisco em casa e 1x1 com Leão de São Marcos em Nova Venécia, perder para o Guarapari e Veneciano por 1x0, o Industrial se envolveu em uma partida muito polêmica neste estadual, em 3 de julho o árbitro Luís Carlos Rocha expulsou 4 jogadores do Industrial na partida contra o São Mateus, Zé Rubens, Zé Carlos, Lozinho e Gilu, o placar estava em 2x1 para o São Mateus até que um jogador do Industrial se lesionou deixando o campo de jogo, com isto a equipe do Industrial ficou com apenas 6 jogadores em campo, o número mínimo é de 7 jogadores, mas a partida seguiu e o São Mateus ainda marcou o 3º gol. Girinha fez o gol do Industrial, Dario, Silvino e Celso para os visitantes, a federação chegou pensar em anular a partida mas acabou mesmo homologando o placar em 3x1 São Mateus que precisava muito dos 2 pontos para avançar a 2ª fase, pois decidiu que o Industrial foi responsável pelo ocorrido com isso o placar foi mesmo confirmado em 3x1, bom para o São Mateus que precisava da vitória para avançar a fase seguinte, como já estava eliminado o Industrial já pensava no Torneio dos Perdedores. Esta fase foi chamado assim pois reuniu os times eliminados na 1ª fase, foram 5 equipes pois o Ceunes desistiu da disputa, o Industrial encerrou a 1ª fase a frente apenas do III de Maio e do Ceunes que ao seu lado forma as equipes que venceram apenas uma vez cada.

Campanha
1ª Fase
Industrial  2x0  Ceunes
Desportiva  4x0   Industrial
Vitória  1x0   Industrial
Industrial 0x0  Caxias
Industrial  1x1  Rio Branco
Estrela do Norte 4x0 Industrial
Industrial    0x0  Santos Barra de São Francisco
Leão de São Marcos  1x1   Industrial
Industrial  0x1  Guarapari
Veneciano  1x0   Industrial
Industrial  1x3  São Mateus
Santo Antônio 2x0   Industrial
Industrial 0x0  III de Maio

Hora da repescagem chamada de Torneio dos Perdedores, ali os 5 times tinham a chance de sair do inferno para o céu, isso graças ao regulamento bizarro que dava vaga no Quadrangular final, ou seja os 8 melhores se enfrentariam por 3 vagas na fase final e os 5 piores brigaria por uma sendo um caminho mais curto e menos difícil. A estréia do Industrial foi melhor que a encomenda vitória por 1x0 sobre o Santos em Barra de São Francisco. na rodada seguinte 1x1 com Leão de São Marcos, na 3ª partida ótima vitória, goleada por 4x0 sobre o III de Maio em casa, fechando o turno empate em 1x1 com Caxias. 
No returno vitória por 1x0 sobre o III de Maio com gol de Alberto aos 42 do 2º tempo, contra o Caxias Alberto e Moraes marcaram para o Industrial e Arnado descontou para o Caxias esta vitória por 2x1 deixou o time com perto da classificação. Uma vitória classificaria o Industrial, mas o empate em 0x0 com Leão de São Marcos em Nova Venécia adiou a classificação da equipe, para piorar o Santos venceu o Caxias por 3x1 e encostou na classificação. A rodada final Industrial e Santos se enfrentariam em Linhares com Industrial com 11 pontos contra 10 do Santos de Barra de São Francisco, a partida aconteceu em 18 de setembro com quase 2 mil presentes no acanhado estádio do Industrial, o time linharense jogou com regulamento em baixo do braço e se classificou a segurar o empate em 0x0.

Repescagem
Turno
Santos Barra de São Francisco 0x1  Industrial 
Industrial  1x1  Leão de São Marcos
Industrial  4x0  III de Maio
Industrial  1x1  Caxias 

Returno
III de Maio 0x1 Industrial      
Industrial   2x1  Caxias
Leão de São Marcos  0x0   Industrial
Industrial    0x0  Santos Barra de São Francisco 

Quadrangular Final
Chega a 3ª fase e o Industrial é sem dúvida a grande zebra, sua estréia é justamento contra o melhor time do estadual até o momento, a Desportiva vem de liderança na classificação geral e entrando com 1 ponto extra por isso. A partida é em Linhares e o Industrial sonha com os 2 pontos da vitória.
O Industrial foi a campo com Bebeto, Berico, Jorge Aranha, Sisi, Zé Coco, Zé Carlos, Didu, Nozinho, Zé Rubens, Morais (Matinha) e Alberto. A Desportiva jogou com Azevedo, Suemar, Evandro, Orlando (Zambi), Célio, Wílson e Toninho (Vadinho). O Industrial tentou encarar a Desportiva e vencer mas não deu, acabou derrotado por 1x0 gol de Suemar logo aos 27 do 1º tempo, cerca de 2448 pagantes estiveram nessa partida.
Na rodada seguinte nova partida  casa, agora contra o Rio Branco. Industrial foi escalado com Bebeto, Berico, Jorge Aranha, Sisi, Zé Coco, Didu, Purinha, Babinha, Alberto, Zé Carlos e Zé Rubens. O Rio Branco foi com Carlos Afonso, Paulo Paixão, Jouber, Daniel, Marinho, Beto Careca, Beto Louro (Bira), Carlinhos, baiano, Acilino e Da Costa. O Industrial novamente caiu com derrota por diferença mínima gol de baiano aos 45 do 1º tempo. na rodada final enfrentou  Estrela do Norte fora de casa e acabou derrotado com gol único de Sérgio Roberto aos 2 do 2º tempo. O Industrial encerrava sua melhor campanha na história do estadual em 4º lugar com 5 vitórias, 9 empates e 10 derrotas, 13 gols marcados e 24 gols sofridos.

Quadrangular Final
Industrial  0x1  Desportiva  
Industrial  0x1  Rio Branco
Estrela do Norte 1x0   Industrial 
Industrial x Desportiva em 1977

Em 1979 o Industrial retorna ao estadual após um ano afastado, seu retorno foi cercado de muita expectativa depois do 4º lugar em 77. A estréia logo de cara o clássico contra o América, ninguém venceu e o placar foi um 0x0 em 15 de abril. Este 0x0 mostrou oque seria o time neste estadual, foram 5 empates e 1 derrota, na 9ª rodada uma grande zebra o Industrial derrota o Rio Branco por 1x0 conquistando sua primeira vitória no estadual, mas na rodada seguinte nova derrota, agora 1x0 para o Santo Antônio. 


Turno
América  0x0  Industrial
Colatina  1x1  Industrial
Industrial 0x0 Vitória 
Veneciano  1x0  Industrial
Santos Barra de São Francisco 0x0  Industrial
Industrial 1x1 Desportiva 
Leão de São Marcos 0x0  Industrial
Ordem e Progresso  0x0  Industrial
Industrial 1x0 Rio Branco
Santo Antônio 1x0  Industrial


No returno empate em 0x0 com Leão de São Marcos, na rodada seguinte em 10 de junho o último clássico entre Industrial e América, e terminou com vitória do Industrial por 2x0, mostrando que não era o ano do Rio Branco contra o Industrial as equipes empataram na capital, na rodada seguinte nova vitória, 1x0 sobre o Colatina, após 4 jogos sem derrota o Industrial cai por 3x0 para a Desportiva em Cariacica, após empate outro em 0x0 agora contra o Santos de Barra de São Francisco, um revés por 4x1 para o Vitória, a rodada seguinte a vitória mais triste da história do clube, em 15 de julho o Industrial deveria enfrentar o Veneciano de Nova Venécia mas a equipe rival abandonou a competição devido trágico acidente automobilístico  que levou a óbito dois integrantes do Veneciano, com isso a vitória veio por W.O. Agora dentro de campo outra vitória, 2x1 sobre o Santo Antônio, esta vitória fazia o Industrial sonhar com a vaga no Quadrangular Final, mas a equipe acabou não vencendo o Ordem e Progresso de Bom Jesus do Norte e mais uma vez empatou em 0x0.

Returno
Industrial 0x0 Leão de São Marcos
Industrial 2x0 América 
Rio Branco 0x0  Industrial
Industrial 1x0 Colatina 
Desportiva  3x0  Industrial
Industrial 0x0 Santos Barra de São Francisco 
Vitória  4x1  Industrial
Industrial (W.O) Veneciano 
Industrial 2x1 Santo Antônio
Industrial 0x0 Ordem e Progresso 

Ainda em 1979 Rio Branco e Vitória formaram um combinado para enfrentar Industrial e América que montaram outro, isso em partida homenageando Gilson Felix correspondente da Revista Placar no Espírito Santo com a renda revertida para sua família. América e Industrial ainda nem imaginavam que anos mais tarde esta união voltaria a acontecer desta vez formando um novo clube. 

A equipe só voltaria a disputar estadual em 1987 e 1988 quando disputou a Série B, não conquistou acesso mas dificultou a vida dos times campeões, em 87 por exemplo ficou no 0x0 com São Mateus em Linhares e em São Mateus derrota apertada por 1x0, já em 1988 derrotou o Muniz Freire por 1x0 em casa no turno e no returno derrota por 3x0. Jogando como Industrial a última participação no futebol profissional foi esta da Série B de 1988.



Em 1991, os times do América Futebol Clube e do Industrial Esporte Clube resolveram se unir e disputar o Campeonato Estadual, foram muito bem afinal o Linhares Esporte Clube foi semi finalista perdendo para o Muniz Freire que foi o Campeão Capixaba daquele ano.  Mesmo com sucessos em campo em 1993, com a recusa do América em consolidar a união dos patrimônios, os diretores do Industrial Esporte Clube seguiram sozinhos no projeto do Linhares Esporte Clube. Em 1994 já campeã capixaba (1993) com o sucesso da equipe, o clube adquiriu uma área de 145 mil metros quadrados para fazer o Parque Aquático e vendeu aproximadamente mil e trezentos títulos de sócios Diamante, Ouro e Prata.  

Em 2000, o clube entregou a gestão do Parque Aquático a um grupo de empresários e ex-diretores do clube que transferiram a área do para o patrimônio de uma empresa recém-criada se comprometendo a terminar as obras e entregá-lo novamente aos sócios. Porém, a área foi fechada em meados de 2006 e nunca mais voltou a funcionar. Com o abandono do clube, vários sócios se uniram e formaram uma nova diretoria visando reaver o patrimônio do Clube. 

A nova diretoria eleita com a ajuda dos sócios prejudicados entrou com uma ação judicial tentando reaver a área do Parque Aquático que foi desapropriada pela Prefeitura em 2014 para criar o Parque da Lagoa.  O valor da desapropriação que seria pago aos ex-diretores está depositado em juízo aguardando decisão da Justiça sobre a propriedade. O Industrial segue extinto sem previsão de retornar ao futebol.


Década de 70 Industrial e Flamengo do bairro Canivete, grande rivalidade.
Outra de Industrial e Flamengo de Canivete




3 Modelos oficiais utilizados pelo industrial